24 de abr de 2009

Ser artista


Há dias venho pensando muito nessa minha mudança e no que realmente quero do meu futuro...o coisa complicada de decidir, hehe. Sempre gostei de teatro, amo as artes em geral mas nunca tive coragem de seguir o conselho de um grande amigo meu: larga tudo e vamos viver de arte! Isso me dizia ele toda vez que nos encontrávamos em Porto Alegre.

Hoje li em seu blog um texto que fala sobre o ser artista e me emocionei demais:

"Não posso medicar, mas posso provocar sorrisos. Não posso criar leis, mas posso estimular sensações. Não posso construir prédios, mas posso destruir verdades, posso construir buracos, onde alguém pode se perder, para daí talvez se encontrar. E antes que se esqueça: sou artista." (Diego Esteves)

Os primeiros passos foram dados nessa direção: mudei de país, voltei a fazer tecido e estou estudando algo realmente voltado a esse mundo de espetáculos que tanto me encanta.

Resta agora traçar meu caminho nesses dois anos que vou ficar aqui. Uma certeza eu tenho: mesmo que não viva de arte a arte sempre vai estar na minha vida.


16 de abr de 2009

Identidade

Nossa identidade está diretamente relacionada com nossa história de vida. Eu cresci sabendo quem eram meus pais, minha família, de onde vim, coisas que para a maioria de nós é normal.

Morar aqui está me fazendo querer aprender mais sobre a história do país também e foi através de uma palestra sobre teatro que aprendi um pouco mais sobre um assunto extremamente difícil para o povo daqui.

Na época do Golpe Militar na Argentina (assunto que merece uma postagem própria), entre os anos de 1975 e 1980 os militares que estavam no poder mantiam as mulheres grávidas vivas apenas enquanto não ganhavam os bebês, após se apropriavam das crianças e as criavam como se fossem seus filhos.

Uma organização muito forte daqui, as Abuelas de la Plaza de Mayo é um grupo que busca os netos desaparecidos da época da ditadura. Com o objetivo de ajudá-las, surgiu a quase 10 anos o Teatro por la Identidad, um teatro político, que conta histórias na maioria das vezes verídicas sobre pessoas que descobriram após a vida adulta que eram um destes desaparecidos.

Me emocionei demais ouvindo de uma da fundadoras do teatro os relatos de jovens que através das peças representadas pelo grupo, resolveram buscar a organização, descobrindo assim sua verdadeira identidade.

É por isso que cada vez mais me apaixono pelo teatro, como arte e como transformador social!






14 de abr de 2009

"No hay mejor revolución que la transformación individual"

Kive Staiff (Diretor Geral do Complexo Teatral de Buenos Aires)

Comida!

Bom uma das coisas que mais nos preocupa quando vamos morar em um lugar diferente é certamente a comida e acho que esse assunto merece um post! O Argentino em geral come muito mal, muita massa, farinha, açúcar, resumindo coisas engordantes e ainda assim a maioria das mulheres são muito magras, vai entender.
Começando pelo café da manhã típico daqui: café com leite y medialunas (um croissant metido a besta, hehe) ou algumas facturas. Facturas são massas doces, com creme, goiabada, doce de leite claro, que se compra em qualquer padaria pela bagatela de 0,90 centavos de peso cada unidade.
No almoço a variedade é maior, desde os mais baratos como o pancho (cachorro quente sem molho, só com salsicha e adicionais) que pode ser com ou sem lluvia de papas; empanadas que tem em cada esquina de vários sabores e normalmente custam em torno de 2 pesos, até pratos "mais elaborados" como milanesa com papas, arroz com pollo...coisas assim carne e massa, e raramente com salada.
Eu admito que me rendo as vezes as praticidades da comida porteña, afinal um pancho na rua quando está com fome é o ouro, mas tento de vez em quando fazer comida em casa, o pouco que sei cozinhar e comer umas frutinhas também, pra tranquilidade dos meus pais!!

10 de abr de 2009

Amizade


Quando falamos em amizade pensamos em uma relação de muito tempo, construída com muita convivência, mas às vezes pode ser diferente. Num simples gesto percebemos que amigos também são aqueles que se preocupam de alguma forma com a gente, mesmo sem nos conhecer tanto.


E isso aconteceu hoje comigo...páscoa e pela primeira vez estou longe da minha família e amigos. Não que seja uma data que comemoramos, mas é uma data que traz lembranças familiares, como eu, minha mãe e minha irmã fazendo ovos de páscoa em casa e acordando com bilhetinhos espalhados pela casa para encontrar nosso "ninho".


Além disso, é uma data onde as pessoas planejam visitar suas casas para aproveitar o feriado ao lado da familia...e isso foi o mais difícil de lidar. Cheguei em casa pela tarde e me vi completamente sozinha...que saudades dos meus pais e amigos!


Mais tarde eu estava no meu quarto, sozinha vendo televisão e comendo a minhas páscoa, alguns alfajores que havia comprado, e alguém bateu na porta: era Carol uma das meninas chinesas me convidando para comer uns petiscos e beber com ela e seu marido Miro para comemorar a páscoa.


Nessa momento explico o titulo do post, pois eles disseram que já que não podiam estar com a familia comemorariam a data com amigos. Isso me tocou fundo, afinal cheguei aqui a pouco tempo e mesmo assim, eles com muito carinho, me convidaram pra dividir esse momento com eles, fazendo com que eu me sentisse menos sozinha, foi muito bom!


Posso dizer que eles são meus amigos, apesar da pouca convivência e de tantas diferenças que temos pela língua e pela cultura! Feliz Páscoa a todos!

8 de abr de 2009

Colectivos


Uma coisa muito interessante aqui em Buenos Aires é o sistema de transporte. São trens, subtes e claro os colectivos que vão para todos os cantos da cidade a qualquer hora. O sistema funciona tão bem que desde que cheguei aqui, a quase um mês, só andei de táxi quatro vezes, ou porque era muito tarde ou para carregar algo muito pesado como foi no caso da minha mudança, hehe.

O subte é prático e rápido, mas tem um grande problema: faz um calor absurdo dentro deles e às vezes parece que nos falta ar. No inverno até pode ser bom, mas no calor é difícil de agüentar.

Já os colectivos são maravilhosos, depois que se aprende a usá-los claro. Digo isso porque uma mesma linha pode ter até 5 caminhos diferentes e é aí que a gente se perde...eu mesmo já tive que caminhar “um par de quadras” como eles dizem aqui, o que normalmente equivale a umas 10 quadras pelo menos.

O mais interessante é que as linhas funcionam durante toda a noite e por incrível que pareça, das experiências que eu tive, é seguro e usado por muita gente em todos os horários. Quando se imagina voltar de um bar, as 3h30 da manhã de bus...pois é aqui é normal, ainda mais nos fins de semana.

Mais uma maravilha de viver numa cidade tão grande e com uma vida noturna tão agitada!! Uma realidade completamente diferente.

7 de abr de 2009

E ela veio de repente...

Fazia dias que achava estranho estar tão bem, tão tranquila, apesar da distância de todos. Até escrevi sobre isso aqui, de como a convivência com a galera estava me ajudando ...
Pois é mas nem tudo são rosas, sexta feira completo 1 mês morando aqui e desde ontem a saudade me invadiu de uma maneira espantosa que não sei explicar..Na verdade saudades nao se explica mesmo, só se sente...
Choro falando com meus pais e minha irmã no msn, sonho a noite e acordo chorando lembrando deles...sei que é uma fase e que vai passar e depois isso será mais um dos tantos aprendizados que estou tendo aqui.
Amo muito toda minha família e meus amigos e mais uma vez digo: SAUDADES!

6 de abr de 2009

Internacional


Dia 04 de abril foi aniversário de 100 ano do inter, meu time do coração e fiquei muito triste por não poder estar em POA vivenciando as comemorações que todos disseram ser lindas e inesquecíveis.


Pero, fiquei muito feliz quando descobri através de outra amiga brasileira que mora aqui que existe um consulado do inter na cidade e que iriam fazer um encontro pra comemorar essa data tão importante.


Fomos mesmo sem conhecer ninguém e econtramos pessoas maravilhosas, fizemos novos contatos e acima de tudo, por alguns instantes, nos sentimos de novo em casa.

4 de abr de 2009

E foi dada a largada

Texto escrito dia 03 de abril

Finalmente as aulas começaram. Hoje de tarde eu estava extremamente ansiosa com isso, afinal o principal motivo da minha vinda foi fazer esse pós.

A turma tem 22 alunos de todos os tipos e idades, fato que certamente torna a aula bem mais interessante por cada um ter um ponto de vista diferente sobre os assuntos. Mais uma vez a diversidade se faz presente...

São contadores, advogados, atores e atrizes, comunicadores, economistas, professores, alguns com alguma experiência no meio artístico outros que estão ali por amar arte e por querer fazer algo diferente no dia a dia.

A maioria é da Argentina mesmo, somos apenas três estrangeiros: um equatoriano, uma paraguaia e eu, o que faz com que o professor de vez em quando durante a aula nos pergunte como tal coisa funciona no nosso país.

Quando me apresentei fiquei satisfeita com a preocupação do professor em saber se eu o compreendia bem e que qualquer dúvida que eu tivesse poderia perguntar a ele. Sei que esta é a função dele, mas como sou uma em 22 ele poderia simplesmente não dar bola pras minhas dificuldades, mas fez ao contrário. Falou devagar durante toda a aula, como se falasse só pra mim.

A matéria de hoje é basicamente sobre como funciona a estrutura de um teatro e sobre cenografia, sua história e suas técnicas e nada melhor do que um profissional que faz isso há 43 anos pra ministrar essas aulas. Hector é atualmente parte da direção do complexo teatral de Buenos Aires, o maior da cidade.

Foi simplesmente maravilhoso passar quatro horas falando sobre teatro, como funcionam os cenários e sobre a experiência do professor e de vários colegas que trabalham diretamente nesse meio.

Amanhã aulas de manhã e de tarde, coisas novas me esperam. Agora sim parece que minha vida aqui está começando!