29 de nov de 2009

Cervantes II

Toda vez que me bate uma preguiça de cozinhar e quero comer algo barato vou no Cervantes II. É um restaurante que fica muito pertinho de casa (Perón 1883), onde se come muito bem por um preço muito camarada. O lugar é super tradicional, bem barrial como dizem por aqui, sempre cheio de familias, casais, gurpos de amigos ou senhores comendo sozinhos.
O amibente e agradável, limpo, recém pintado, bem iluminado ainda que, dependendo de onde se sente tem muito cheiro de gordura, hehe. Um ponto contra é que os garçons não são muito bem humorados, mas como isso é uma constante na cidade não é motivo para deixar de frequentar o lugar. Pontos positivos: qualidade da comida (bem caseira), o pedido sempre vem rápido apesar da quantidade de gente e como já disse se gasta muito pouco, até porque muitos dos pratos se pode dividir. Aviso: a comida não é leve (pelo menos as que eu escolhi), mas no menú também se econtram saladas, massas e as carnes tradicionais da parrilla argentina.





O prato da foto é uma napolitana de ternera com fritas, algo como um bife a parmegiana, bem gostoso. Comemos em duas pessoas e a conta saiu por apenas 35 pesos, com a bebida, baratérrimo! Para dar uma idéia do lugar, para mim o Cervantes é uma mistura de Lancheira do Parque com Tudo Pelo Social, dois restaurantes bem conhecidos em Porto Alegre. Fica a dica!

27 de nov de 2009

Um jardineiro francês em Buenos Aires

Esse é o título de uma exposição que ta rolando atualmente no Centro Cultural Recoleta. O prórpio lugar é lindo tanto o edifício quanto o bairro, por isso já vale uma visita. Mas quem gosta de natureza essa é uma ótima oportunidade de curtir uma exposição "viva". A expo fala sobre o trabalho de Carlos Thays, que segundo o site foi um dos propulsores do embelezamento dos espaços públicos da cidade de Buenos Aires.
Além de seções dedicadas a vida e as principais obras do "jardineiro" a exposição conta com um jardim feito na parte externa do Recoleta. A diferença é que em sua homenagem no evento de abertura soltaram várias borboletas de várias espécies que são mantidas nesse espaço através de tetos e portas que apesar de "fecharem" o lugar, permitem a entrada da luz natural. Uma bela experiência! Deixo algumas fotos que tirei por lá na minha visita!

Essa é pra minha mami que adora essa mistura de cores!



25 de nov de 2009

Celebridades Bizarras Argentinas - parte 1

Ontem à noite estava vendo um programa muito conhecido, onde "famosos" dançam, fórmula mais que batida, mas que ainda faz muito sucesso. Um dos participantes é o bonitnho aí da foto, Ricardo Fort. Quando vi essa figura mega bizarra fiquei tao impressionada que tive a idéia de fazer esse post. O rosto e o corpo do cara são estranhos demais, parecem esculpidos, certamente resultado de muitas intervenções cirúrgicas.
A primeira coisa que me perguntei é: porque ele é tão conhecido? Qual seu talento? Talento nenhum. A resposta do enigma é o fato de ele é herdeiro de uma fortuna que vem da marca de chocolates FelFort, a maior da Argentina.



Como sabemos, o dinheiro compra praticamente tudo e como diz um site daqui: a fama, mesmo que seja cara, está disponível para quem pode pagar por ela! Certíssimo! O cara já apareceu em milhares de programas de fofocas daqui contando sua vida, se auto produziu como cantor, com direito a videoclipe e tudo, tem uma marca de roupas e como se não bastasse tem seu próprio reality show onde conta com um gurpo de modeletes (homens claro) que viajam com ele por dversos países. O programa pode ser ver lá pelas 2h da matina num canal daqui. O cara apesar de todos desconfiarem que é gay, anda com modelos lindas e sensuais, pra mim pura jogada de mareting. Bom deixo aqui a propaganda da marca de roupa dele...tirem suas conclusões!



Últimas informações:
Fort em números - 27 cirurgias incluindo um implante nos calcanhares para ter 3cm mais de altura; 2 filhos concebidos por barrigas de aluguel e que são cuidados 24h por babás; 13 tatuagens, 500 mil pesos de gastos mensais.

24 de nov de 2009

Stencil: ferramenta para expressão

Uma coisa que me chamou muita atenção desde que vim morar aqui é a quantidade de stencil que se vê nas paredes de toda a cidade. A marioria serve para passar alguma mensagem de indignação em relação ao governos e muitas outras coisas, algumas simplesmente são maneira de brincar com a paisagem urbana. Independente do objetivo é muito interessante esse jeito barato e criativo que os argentinos arrumaram para se expressar! Seguem algumas fotos:








Deixo também uma página especializada na arte do stencil daqui com muitos exemplos legais onde tem inclusive um documentário francês sobre o uso do stencil em Buenos Aires - http://www.bsasstencil.com.ar/
Outro blog com muitos exemplos legais pra quem interessar: http://cambsas.blogspot.com/

Feria de Mataderos

A vantagem de morar aqui é que aos poucos temos chance de conhecer lugares não turísticos que normalmente são bem divertidos! Num domingo desse fui com minhas amigas na famosa Feria de Mataderos, muito conhecida mas diferente das outras que tem em  San Telmo ou Recoleta porque não é turística. Ela acontece  todos os domingos no bairro de Mataderos que fica bem afastado do centro da cidade, uns 45 minutos de onde eu moro, mas vale a viagem!
O mais legal é que é uma feira de artesanato e tradições populares, tradição gaucha!! Me senti em casa. São diversas tendas que vendem artigos gaúchos (botas, esporas, facas), os vendedores todos vestidos de gaúchos, com direito a lenço e bombacha, muito legal!! Agora mais do que nunca sei porque nos chamam de hermanos, as raízes da nossa cultura são as mesmas.

Além das muitas tendinhas com comidas típicas (doces maravilhosos), todos tipos de artesanatos, roupas, discos, livros e muito mais (se encontra quase tudo lá e mais barato que em outras feiras da cidade!) ainda se fazem demonstrações de jogos típicos gauchos como mostra a foto acima. Esse jogo se chama la sortija, onde os caras montados no cavalo correm em direção a esta "trave" onde um fio com um pequeno anel está pendurado, o objetivo é com uma lança que eles trazem na mão se consiga tirar o anel. É dificil mas eles conseguem, muito legal!
Ainda tem todo domingo apresentações de música folclórica com muita música gaucha e com a galera dançando na frente do palco. Vale a pena o passeio para conhecer um "outro lado" de Buenos Aires, mais da cultura popular da cidade.






P.S. Não disse que tem quase tudo? Até llama pra vender tinha e acreditem se quiser: dois nordestinos vendendo rede e mantas, sim!!!!

3 de nov de 2009

Cidade dos "paros"

Já comentei em outro post sobre a politização do povo argentino e de sua capacidade de lutar pelos seus direitos e assim conquistar muitas coisas importantes. O que tem passado é que os "paros" (paralisações) e cortes de ruas e avenidas são tantos que para não passar desapercebidos fazem coisas absurdas. A mídia ama tudo isso, afinal para eles tudo vira notícia. Hoje mesmo vi pela manhã na televisão que havia paro de professores e de hospitais, nenhuma novidade até aí (sim, infelizmente são coisas comuns por aqui...). O problema começou quando um grupo de mais ou menos 1000 manifestantes cortaram ontem o trânsito em algumas quadras da Av. 9 de julho (uma das principais avenidas da cidade e uma das mais largas do mundo!) por causa da briga entre o governo e o campo.

Foto: Clarín
 Podem imaginar o caos que se transformou o já caótico trânsito de fim de tarde nessa cidade enorme! Não satisfeitos em incomodar a população por algumas horas decidiram acampar no meio da avenida, sem hora pra sair. Juro que quase fui me juntar a eles, afinal seria uma maneira incrível de viver a "cultura" argentina de perto. Pela manhã quando escrevi este post o lio seguia e ainda segue agora, depois de mais de 30h que os manifestantes estão acampados por lá ( última atualização - levantaram o acampamento!)


Minha pergunta é: como uma cidade do tamanho de Buenos Aires permite uma coisa dessa sem tomar nenhuma atitude? Uma pergunta para se pensar...

2 de nov de 2009

Museo de la Ciudad

Ontem aproveitei o dia meio nublado e fui conhecer o Museo de la Ciudad que fica em San Telmo (http://www.museodelaciudad.buenosaires.gob.ar/). O edifício onde funciona o museu já vale a visita: faz parte de um conjunto de construções com alto valor patrimonial e fica em cima de uma das farmácias mais antigas de Buenos Aires, Estrella que foi inaugurad ali em 1900. As peças do museu são coleções de birnquedos, peças de demolições de prédios antigos, coisas que de alguma maneira ajudam a contar a história da cidade. Interessante quando entramos no prédio tem um cartaz que diz algo do tipo "o seu lixo pra nós é importante", incentivando o pessoal a doar qualquer artigo que possa fazer parte da história.
Na verdade fui ao museu com objetivo de ver uma nova exposição chamada: "La pelota una pasión, la cancha una emoción.", que fala da paixao dos portenhos pleo futebol. A exposição reúne objetos de torcedores, de clubes e conta um pouco da história dos vários clubes de futebol daqui. Fizemos uma visita guiada com um pequeno grupo de visitantes e além das informações que a guia nos falava o mais interessante era as histórias que os próprio visitantes contavam, jpá que fizeram parte daquela história. Um senhor de 67 anos (em algum momento citou sua idade) que sabia muito de futebol, comentava do nevosismo que sentiu na final da Copa do Mundo de 78 realizada aqui, de como sabiam costurar as bolas de futebol para seguir usando quando era criança e muitas outras histórias interessantes.












Curiosidade: a válvula que tem na bola de futebol e em outraas também, que permite que se encha a bola sem que o ar escape no final, foi um invento Argentino, em 1931 em Córdoba, e é usado até hoje.

"Argentinês"

Por mais que a gente estude algum idioma antes de viajar pra outro lugar, nada nos ensina mais que a convivência com os nativos do lugar, assim passou comigo aqui em Buenos Aires. Estudei um ano em POA antes de vir mas sei que meu vocabulário e pronúncia melhoraram muito desde que cheguei. Mas o mais legal são as palavras específicas que só os argentinos e algumas que só os portenhos falam. Algumas delas que me identifico mais até já incorporei nas minhas falas, inclusive quando falo em português, o que deixa meus amigos e família um pouco confusos.
Algumas palavras clássicas daqui são o "boludo" ou "pelotudo", também usado no feminino ainda que seja menos comum. Quer dizer idiota, bobo, mas dependendo do contexto e da maneira que dizem também pode ser usado por amigos, nesse caso algo parecido com "cara". (Ex: Boludo, vamos a la cancha? Cara, vamos ao campo de futebol? Hahahah.) Eu na maioria das vezes que uso é pra xingar mesmo, tipo: "que cara boludo!!!! "
Otra expressão que gosto muito e também uso direto é o "buena onda", algo do tipo "gente boa". Se diz de pessoas mas também pode ser usado pra lugares que sejam divertidos, algo assim. Além disso eles usam muito o "re" na frente das palavras pra intensificar, em bom gauchês seria o nosso "TRI". Re bueno, re lindo e por aí vai. Deixo aqui outras palavras que acho legais no dicionário portenho:

  • Piola: espero, prático


  • Pibe, piba: guri ou guria


  • Mina: guria


  • Bajón: má notícia

Muitas dessas expressões vem do Lunfardo, espécia de dicionário de gírias, que foi sendo modificado ao longo do tempo e cujas palavras foram muito utilizadas nas canções de tango. Deixo aqui uma página pra quem quiser aprender um pouco mais dessa linguagem argentina: www.mibsasquerido.com.ar/Tango3.htm